PARA QUÁDRUPLO AMPUTADO, ANO DA DOENÇA FOI O “MAIS BRILHANTE”